X
X

Receba "Diga sim para Você mesmo" gratuitamente.

Digite seu nome e e-mail para participar do sorteio de 100 livros autografados por Gutemberg Dos Santo.

Você concordará comigo quando digo que precisamos de dinheiro para quase todas as transações que fazemos no dia a dia.

Do transporte que utilizamos, casa que moramos, até a comida que comemos.

Todas essas transações são feitas a partir da troca de dinheiro.

Além disso, dedicamos grande parte da vida e de nosso tempo tomando ações para ganhar dinheiro e realizar nossos sonhos.

Dinheiro é uma parte fundamental da nossa sociedade e dia a dia. Desde que nos lembramos, nós o usamos.

Entretanto, o que você me diria se eu te dissesse que o dinheiro como conhecemos está prestes a deixar de existir?

Incrível, não é mesmo?

E tudo é baseado em Bitcoin e na revolução que a criptomoeda está causando no mundo financeiro.

Mas antes disso...

O início

Antes de começarmos a falar em Bitcoin com profundidade, nós precisamos entender a história do dinheiro como conhecemos hoje.

O Nascimento do dinheiro é muito simples.

Quando vivendo em tribos, humanos faziam todas suas trocas através do escambo.

Mas quanto mais as sociedades cresciam, escambo se tornava cada vez mais complexo.

Portanto, certos itens tiveram que ser convertidos em ferramentas de troca. Esses itens tinham um valor que ambas as partes concordavam.

Por exemplo, os Astecas usavam cacau como câmbio, enquanto na Europa o sal era utilizado.

A complicação desses itens é que se algum problema ocorresse com esses produtos, o mercado explodia.

Se houvesse uma colheita ruim de cacau, não haveria nada para trocar.

A partir desse ponto, moedas de metal foram criadas. Essas moedas cumpriam o mesmo papel de item de troca e eram muito mais duráveis.  

Entretanto, os mercadores daquela era se depararam com alguns problemas. As moedas eram difíceis de transportar e as autoridades eram responsáveis por decidir a quantidade de metal precioso que cada moeda tinha.

Então encontraram uma solução.

Eles reconheceram que a dívida de uma pessoa tem valor e pode ser transferido.

Através de notas promissórias (e da confiança de que a dívida seria paga) o primeiro dinheiro de papel foi criado.

O dinheiro de papel não era baseado em metais preciosos ou produtos, mas na promessa de pagamento e na reputação daqueles que o emitiam.

Eles confiavam que o intermediário, que emitiu as notas promissórias, poderia liquidar as dívidas da troca comercial.

Imagine da seguinte forma, os ferreiros (que criavam moedas de ouro) tinham as moedas de muitas pessoas seguras e essas moedas ficavam em sua segurança por muito tempo.

Então eles poderiam fazer empréstimos para outras com as moedas que guardavam e coletar juros.

Entretanto, as pessoas que pediam os empréstimos, não queriam moedas de ouro, mas o papel que confirmava que as moedas estavam seguras.

E é aí que vem a parte interessante.

Você consegue ver?

A troca

Os ferreiros, que se tornaram banqueiros, entenderam que enquanto o povo confiasse que eles tinham o dinheiro de todos os clientes, eles poderiam criar dinheiro de papel, basicamente tendo o poder de criar dinheiro quando quisessem.

Foi assim que criaram as “máquinas de imprimir dinheiro”.

Criando a estrutura que os bancos ainda seguem.

Por exemplo, se depositarmos R$ 100,00. Com esses R$ 100,00 o banco empresta R$ 97,00 para um terceiro comprar algo e poupa R$ 3,00.

No computador do banco, onde eles mantêm as contas, nós temos R$ 100,00 e o terceiro R$97,00. Esses R$ 97,00 são dinheiro virtual, apenas dígitos em um computador.

Não tem ouro, ou qualquer coisa por trás. Apenas a promessa do retorno. Esse dinheiro é novo, criado em forma de dívida.

Quando a Terceira parte comprar o que precisava de um vendedor, o vendedor deposita os R$ 97,00 e o banco repete a mesma operação milhares de vezes.

Cada pessoa tem números em suas contas que mostram que tem dinheiro.

E não para por aqui.

Bancos não precisam de nossos depósitos para emprestar para terceiros.

Apenas com alguém adequado para pagar suas dívidas, eles lhe emprestam o dinheiro e, novamente, criam dinheiro digital.

Dinheiro que é apenas em números em computadores do banco.

Todo o sistema é baseado na confiança.

Confiança na capacidade dos devedores de pagar suas dívidas

Confiança na solvência do banco.

No entanto, se hoje todos os usuários de um banco pedissem 3% de seus depósitos em dinheiro, o sistema cairia.

Interessante, não é?

A Inovação

A inovação é parte fundamental do crescimento do ser humano.

É o que nos motiva a seguir e cria novas formas de ver o mundo.

No entanto, sempre que há uma inovação revolucionária, há aqueles que tentam impedir.

Aqueles que têm o poder perderiam parte de sua riqueza com essa inovação.

Por exemplo, quando a imprensa foi inventada, impostos, leis e até proibições foram criados para impedir a criação de livros de massa.

Não é necessário dizer que essas proibições não funcionaram e a imprensa mudou o mundo como o conhecíamos.

Então, o que aconteceria se uma inovação tecnológica permitisse que qualquer pessoa fosse seu próprio banco?

Criar dinheiro livre de impostos e taxas bancárias?

Começo de uma Nova Era

A primeira coisa que devemos entender sobre o Bitcoin é que é um sistema de computador de código aberto.

Código aberto (ou open source) significa que é um código livremente desenvolvido e distribuído.

Não é controlado por nenhuma empresa ou pessoa, já que qualquer um pode contribuir ou usá-lo livremente. Esse código é baseado em verdades matemáticas, verdades que não dependem da interpretação ou suposições de alguém.

Qualquer um pode ler o código Bitcoin e sempre será verdadeiro, não importa quem o inventou.

O Bitcoin é software e dinheiro digital ao mesmo tempo. Bitcoin (com B maiúsculo) é o código compartilhado, que cria a rede mundial de pagamento usando computadores conectados à Internet. Enquanto o bitcoin (com letra b minúscula) é a moeda virtual, dinheiro virtual que é trocado através dessa rede digital.

Mas, ao contrário do dinheiro virtual que os bancos criam, essa moeda digital foi criada com matemática por um inventor anônimo.

E é público, aberto e transparente.

Como podemos confiar?

Em nossa ideia tradicional, é muito importante saber quem apoia dinheiro porque sua reputação é valiosa para saber que nossos fundos estão seguros.

Confiamos nos bancos e seus sistemas contábeis para proteger nosso dinheiro como intermediários e nos cobram altas comissões por isso.

No entanto, um sistema em que esses intermediários são evitados pode ser mais rápido, mais eficiente e muito mais seguro.

Mas como confiar em algo digital? Filmes e música na Internet não estão sempre seguros.

A resposta está na base com a qual o software é criado.

Um bitcoin não é um arquivo salvo em um computador.

É uma entrada no banco de dados público conhecido como Blockchain.

Esse banco de dados funciona como o sistema contábil dos bancos, mas é público e acessível pelo mundo inteiro.

O Blockchain tem um registro de todos os bitcoins existentes e todos os bitcoins que foram transferidos ou trocados na história.

Está sempre em equilíbrio porque nenhum bitcoin sai do banco de dados.

Quando alguém envia um bitcoin para outra pessoa de sua carteira digital, o que realmente está sendo enviado é o controle sobre essa entrada no banco de dados.

E como o Blockchain é público, não pode ser controlado por ninguém. Nem banqueiros, nem políticos, nem ninguém pode mudar a matemática com a qual é criado.

Em outras palavras, com a rede Bitcoin, suplantamos os bancos, os banqueiros e todo o quadro financeiro que beneficia apenas alguns.

Apenas o início

Isto é apenas o começo.

Você vai ficar assistindo de fora?

Vai ver a oportunidade passando?

Esta é a oportunidade para uma mudança tecnológica, mudança que eles não querem que realizemos, mas que você pode fazer parte.

Gutemberg Dos Santos

Etiquetas